sábado, 29 de novembro de 2008

eu gosto de estar aqui, porque eu me sinto leeeeeeeeve.... leeeeeve.... 

terça-feira, 25 de novembro de 2008

(uma homenagem à todas as pessoas mornas e sem sal. lá vai:)

ser sem sal não sou.
seria sim, se fosse morna.

não sou. sou pimenta
sem pudor.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

hoje estou fria. vou citar:

"inveja: noun feminine fato de querer aquilo que outros têm".

fonte: Dicionário Online

sábado, 15 de novembro de 2008

"(...)
Sobe a lua, porque longe vai?
Corre o dia tão vertical
O horizonte anuncia com o seu vitral
Que eu trocaria a eternidade por essa noite

Porque está amanhecendo?
Peço o contrário, ver o sol se por
Porque está amanhecendo?
Se não vou beijar seus lábios quando você se for
(...)"

- Relicário, Nando Reis, versão Cássia Eller no acústico MTV de 2001.
enquanto o Danilo tá no banho, eu canto:

"E ser artiiista no nosso convívio, pele infeeerno e céééu de todo diiia... pra pooeeesia que a gente não vive, transformar o tééédio em melodiiiiiaaaaa...!

la la laaaaaaa!"

...

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

momento hostil do dia:

entre cópias e rascunhos
eu prefiro fazer nada.
se é pra se auto-denominar,
que seja: "recém-criada"!

[em homenagem às (pseudo) cópias e rascunhos que existem por aí]
Em toda minha vida, só uma pessoa percebeu que eu diagramo a comida, antes de comer. A segunda percebeu hoje. "Papai do céu, será que sou louca?"
Falta uma hora e dez minutos pra eu sair aqui do trabalho e estou sem nada pra fazer. A edição de novembro da revista fechou sexta-feira e a gente até foi pro bar, depois do expediente, pra comemorar o fechamento.

Esta semana, é só limpar a mesa da papelada acumulada nestas últimas semanas de correria e tensão e deixá-la com bastante espaço pras papeladas que estão por vir...

Queria conseguir fazer isso também com a vida. Jogar a papelada fora e abrir espaço pra tudo de novo que está vindo. Eu tenho problemas em jogar coisas fora, não sei se alguém aí sabe disso. Tenho problemas sérios. Como diz meu namorado, sofro da "síndrome do esquilo" que consiste em manter tudo e não jogar nada fora, por mais inútil que seja (ele também sofre disso).

Diponho-me, então, ao aprendizado: começarei hoje, se tudo der certo e a chuva não inundar meu carro, a jogar tudo que é velho/inútil fora e dar lugar aos papéis novos.

Semana passada também, senti muita vontade de fumar... mas isso é outra história.