quarta-feira, 27 de agosto de 2008

III.

o sexo é paixão
que, em meu
corpo, é solidão.

II.

o pensar é o temor
que, em meu
corpo, é calor.

I.

o sentir é a paz
que, em meu
corpo, aqui jaz.

domingo, 24 de agosto de 2008

uma semana sem cigarros. um mês de "domingos de beijinho", kiwis e pão branquinho. quem diria...

ai, ai... *suspiros*

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

ok, agora eu já posso ir presa de verdade, aqui e nos Estados Unidos. parabéns pra mim, dois dias atrasados.


"Marchinha de Aniversário"

mais um que vai, que passa
direto sem eu perceber.
ó tempo, tempo, mano velho,
tempo esse que amassa
minha liberdade de viver.

pára de passar assim
tão rápido, tempo, sai de mim
me deixa, sai de perto
faz o que é certo e
vira meu Arlequim...

domingo, 17 de agosto de 2008

"ele lá, eu aqui.
domingo:
juntos."

(haikai em homenagem a mais um "domingo de beijinho").

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

hoje arrombaram a porta do meu carro e levaram meu som e a mochila do danilo.

estou muito nervosa, nervosa de ranger os dentes e do estômago doer. nervosa de saber que os ladrões ainda agem, por querer, podendo ainda viver em liberdade de andar e comer e fazer o que bem entender e roubar e foder a vida dos outros que, com a situação deles, não têm nada a ver. e a polícia? essa pergunta tem que ter, mas o que fazer? eles fazem nada, só querem saber de ganhar dinheiro e ter poder e a gente? a gente, nada. a gente fica aqui, esperando o governo prometer, a polícia repreender e só sobra pra gente o medo de morrer.

pronto. vomitei. tô melhor.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

E, então, eu penso...
Penso sem parar
até cansar, até mofar
de ódio, de apatia
dessas pessoas sem harmonia,
sem alegria e sem saudade.

Eu sinto saudade... e muita!

Deve ser a idade,
essa marca de seriedade,
que me foi colocada, um dia.

domingo, 10 de agosto de 2008

(novamente, infantilidades de domingo...)

Domingo, "dia de beijinho",
pão e kiwi... e você.
Quero sempre esse
domingo, pra deixar a criança
dentro de mim, de novo, florescer.

E, se algum dia o destino
disser, pra gente, "não",
quero lembrar com carinho
dos "domingos de beijinho"
e dessa medrosa paixão.

observação da noite:

incrível como uma flor, um pedaço de papel, uma caixinha e três kiwis podem transformar o rumo dos fatos... como já disse aqui antes, gosto muito dessa efemeridade da vida.

sábado, 9 de agosto de 2008

pergunta do dia:

alguém aí sabe fazer o tempo parar?

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

pronto, Allan. dvirta-se!

Três coisas que me assustam:
1. lugares escuros, quando tô sozinha.
2. silêncio.
3. mosquitos ou qualquer coisa que voe em quantidade de mais de três.

Três coisas que eu estou sentindo agora:
1. nostalgia.
2. vontade de dançar.
3. dor nas costas.

Três coisas que tenho ouvido no meu telefone:
1. "Olá, aqui é do banco Santander..."
2. "Pague em dia sua conta claro e receba benefícios..."
3. "Laura, Vitão hoje a noite! Agita a galera!"

Três coisas que eu odeio:
1. desprezo.
2. comida fria, quando é pra comer quente.
3. planos desfeitos.

Três coisas que eu não entendo:
1. exatas.
2. arte contemporânea.
3. como o MotoRockr U9, que é uma versão de celular nova, consegue ser pior que o MOtorola K1, que é uma versão mais antiga da motorola...

Três nomes:
1. Jolene
2. Sandy
3. Laura

Três coisas em cima da minha mesa:
1. celular
2. cigarro
3. caneta

Três coisas que eu estou fazendo agora:
1. ouvindo um som completamente nostálgico.
2. digitando.
3. mudando de posição na cadeira (o que me lembra que eu preciso comprar outra cadeira pra ficar aqui na salinha do computador...)

Três coisas que eu quero fazer antes de morrer:
1. fama.
2. dinheiro.
3. comprar um patins.

Três coisas que eu sei fazer:
1. sexo.
2. comer.
3. fondue.

Três coisas que eu não consigo fazer:
1. parar de fumar.
2. parar de respirar.
3. auto-tatuagem.

Três maneiras de descrever minha personalidade:
1. impulsiva.
2. fumante.
3. sedentária.

Três filmes que você deveria assistir:
1. Irreversível.
2. Irreversível.
3. Irreversível.

Três filmes que você NÃO deveria perder seu tempo assistindo:
1. Eu sou a Lenda.
2. Eu sou a Lenda.
3. Eu sou a Lenda.

Três filmes que você sempre assiste:
1. Irreversível.
2. Laranja Mecânica.
3. Grease.

Três comidas favoritas:
1. Japonesa.
2. fondue de queijo.
3. coca-cola.

Três coisas que eu gostaria de aprender:
1. física quântica.
2. o segredo da vida.
3. cozinhar.

Três coisas que eu bebo regularmente:
1. coca-cola.
2. cerveja (boa).
3. novo ades edição limitada de coco com abacaxi.

Três programas de TV que eu assistia quando era pequena:
1. Doug Funny.
2. Mundo de Beakman
3. Babar

Três programas de TV que não perco por nada:
1. Two and a Half Man
2. __________________
3. __________________

Três lugares:
1. meu banheiro.
2. minha cabeça.
3. meu carro.

Três pessoas:
1. eu
2. Jolene (minha cachorra.)
3. Motorockr U9 (meu celular.)

Três coisas que faço todo dia:
1. escovar os dentes.
2. dirigir.
3. cocô.

Três coisas que fiz hoje:
1. acordei.
2. escovei os dentes.
3. li minha mensagem de horóscopo do dia que chega no celular todo dia as 9h.

Três coisas na gaveta:
1. absorvente diário.
2. carregador de celular.
3. caderno.

Três datas importantes:
1. 20 de agosto.
2. 14 de julho.
3. 24 de julho.

Três anos importantes na minha vida:
1. 2001.
2. 2005.
3. 2008.

Três livros importantes para mim:
1. "Personas Sexuais" de Camile Paglia.
2. "Câmara Clara" de Roland Barthes.
3. "Contos Extraordinários" de Edgar Allan Poe. (SEMPRE, né, Allan! ahahah!)

Três estilos musicas que eu gosto:
1. Erudita.
2. EBM/Industrial/Grind/Crust/Barulheira
3. Pancadão...

Três vícios:
1. cigarro.
2. internet.
3. celular.

Três coisas que desejo pra você:
1. ...
2. ...
3. ("você", quem?)

.

(deixo bem claro desde já que esta punheta foi indicação do Allan)

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

aqui vai uma questão para vocês, querida(o)s leitores, prestem atenção:

vocês acreditam naquele pensamento popular que argumenta que, quanto mais nós pensamos e verbalizamos, mais o pensamento se torna real? eu estou começando a acreditar, por mais clichê que isso possa parecer. se bem que isso não é ruim, porque clichê só é clichê, porque é verdade. se não fosse verdade, seria lenda, não clichê...

hoje, neste fim de noite, estou assim, sorrindo. agora só falta perder o medo de lugares escuros e consertar o limpador de pára-brisa do meu carro. ;)

foto: Laura Sobenes
Estava aqui, eu, pensando com meus botões sobre a chuva. "Tema gasto..." vocês devem pensar, mas tudo bem, não me importo. Minha única distração agora, já que começo no emprego novo dia 13, é o computador. Eu podia escrever uma carta, ouvir música, fazer comida - não, não sei fazer comida -, mas ao invés disto, estou aqui, no computador. Tomara que não acabe a luz...

Mas, voltando: a chuva (pausa para acender um cigarro). Me da até arrepios pensar em quantas pessoas estão se molhando agora, neste exato momento, dois quarteirões pra cima do meu prédio, logo na Avenida Paulista... Já são quase 18h e, em breves duas horas, as pessoas vão começar a sair do trabalho para entrarem nos metrôs da linha verde (a linha mais estúpida que já vi em toda minha vida, por sinal), para irem rumo às linhas vermelha e azul (porque, no Brasil, pra quem não sabe, só temos três linhas de metrô e até tentaram construir uma quarta, mas ela desmoronou antes de ser finalizada), para chegarem na estação de destino e ainda embarcarem em um ônibus para, finalmente, chegarem em suas casas, onde encontrarão bebês recém-nascidos chorando, crianças peraltas que acabaram de acordar de um sono vespertino pós-escola e estão super no pique de brincar, cônjuges de mau-humor ou até mesmo o silêncio que, pra alguns, é muito pior do que todas as outras situações citadas acima...

Péssima essa vida de transporte público... ainda mais em um dia como hoje: dia cinza, com vento e chuva e, ainda por cima, ABAFADO. Pois é, como se não bastasse o caos metropolitano, estes pobres trabalhadores têm que enfrentar outros trabalhadores se encostando, se esbarrando, todos suados e melados, porque além de chovendo, ainda está abafado.

Ainda bem que eu sou freelancer. As vezes, me pego reclamando da vida, que não tenho dinheiro, que não posso gastar, que ainda não sou completamente independente em algumas questões financeiras... Porém momentos como este, enquanto estou sentada na frente do computador, no meu apartamento sequinho, dando uma de "pseudo-escritora da nova geração", me fazem lembrar o quanto sou feliz por ser freelancer. A não ser como quando me contraram para fotografar festas e baladas "happy-hour", na Vila Olímpia. Este, acredito eu, foi o único momento em que pensei ter escolhido errado minha profissão, mas este é um outro assunto. Mesmo porque, o pensamento logo passou, quando entrei em uma balada - que não vou citar o nome por questões de futuros processos jurídicos - e vi muitas pessoas bonitas interagindo comigo, pois eu tinha um objeto em minhas mãos que é o que a maioria daquelas pessoas desejam ter apontada para elas, pelo menos uma vez na vida: (não, não era um rifle) uma máquina fotográfica.

Pois é, queridos e amados leitores deste dia chuvoso... vou terminando meus breves pensamentos, pois estou em um dia típico de ócio nesta Cidade da Garoa ("garoa" soa como um graaaande eufemismo agora, se vocês pudessem ver a quantidade de gotas que está caindo lá fora...) e preciso aproveitar assistindo algum seriado de televisão desses canais de tv a cabo.

Me despeço com uma imagem de quando fui à Paraty em outubro do ano passado e, como sempre, a chuva me perseguiu... Mas foi bonito. Graças à minha profissão, eu tinha uma câmera fotográfica comigo. =)
Bom final de tarde a todos.

foto: Laura Sobenes - Paraty, RJ - outubro/2007

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

dia 28 de julho de 2008:
"de minuto em minuto, uma hora a gente junta..."

foto: Laura Sobenes

finalmente o ócio chega
muito bem acompanhado, por sinal,
e me envolve, como um cobertor
de algodão envolve os bebês.

a chuva, a varanda e todos os elementos
que me completam por inteiro
como se fossem um canteiro
de puros sentimentos.

estou gostando... gostando de branco,
amarelo, vermelho e até de escuro
como nunca antes gostei.
como dizem los hermanos e você: "até quem me vê (...)
na fila do pão, sabe que eu te encontrei".

pois é, te encontrei. assim, na vida,
trabalhando por aí, e agora?
agora deixa ir, deixa vir,
me traz kiwi e gosta de mim?

criança de novo, eu estou, como nunca!
pois é, menino. como já dissemos antes,
calma, que "de minuto, em minuto,
uma hora a gente junta"...

=)