sexta-feira, 26 de junho de 2009

quanto mais
o vento venta
minha alma
se atormenta
desses medos,
que me matam.

quero ter
o pensamento
de, algum dia,
sem lamento,
ver estrelas
que me acatam.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

... e, pra fechar a noite:

eu quero fazer uma ode
ao amor do século XXI
que tanto pesa, tanto arde
nas mãos do sujeito cru.

eu não sou sujeito cru,
nunca fui e nunca serei.
quero o amor que arde nu
em mim, bem como imaginei.







(amores do século XXI.)
... e hoje percebi o quanto estou ficando velha, quando fui a um jantar de comemoração de mais um dos meus amigos de infância que se formou na faculdade. A gente não percebe certas coisas até a água bater na bunda. Hoje bateu, e tava bem fria.

(agora, dá licença, que eu tenho mais uma seção de psicanálise amanhã pra tentar me entender e depois, quem sabe, entender esse mundão véio sem porterrrra... fim.)

sábado, 20 de junho de 2009

(do dia 08.05.2009)

Moleskine é legal,
é coisa de gente cult.
Odeio a Vila Madalena,
por favor, me sepulte.

(explicando, antes que mandem me matar: eu tenho um Moleskine e trabalho na Vila Madalena. Fiz essa riminha infantil em um dia de revolta de bar da Vila cheio de fim-de-semana. Postei, porque achei engraçadinha. Ponto, agora ninguém precisa me pré-julgar...

Explicações dadas, vou viver. Tchau.)

quarta-feira, 17 de junho de 2009

variação em haikai:

Quanto mais corro
mais depressa
morro.
a gente corre
e não percebe
que acontece
o temporal.

quanto mais
a gente corre
mais se deixa
o pessoal.

(pra quem não entendeu, eu explico: quanto mais a gente corre na frente, mais a gente deixa as pessoas pra trás. portanto, é melhor correr e chegar na frente ou andar junto com as pessoas?)

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Hoje, no final do meu sonho, acabei com três tiros no ventre.
O que diria Jung sobre isso?

... enfim. Bem-vindos a junho.