segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

sobre máquinas de lavar roupas

Máquina de lavar é uma coisa engraçada. Lavando roupa hoje, percebi que ela é super inteligente: ela joga água com sabão, joga amaciante e outros extras na hora certa e ainda enxágua. E as opções de lavagem então? "Branco encardido", "pesado sujo", "roupa preta", "roupa íntima", "roupa de bebê", "tapete"... e a minha mãe diz: "ah, eu gosto de colocar sempre na lavagem rápida de 25 minutos"... Será por isso que minhas roupas parecem nunca estarem bem lavadas? ... não sei. Só sei que máquinas de lavar são sensacionais.

Até adquirirmos esta máquina de lavar, tínhamos o tal "tanquinho", sonho de qualquer dona de casa de baixa renda (acho...). O tanquinho era legal, mas não supria as necessidades de uma adulta bancária e uma "adolescente virando mocinha"... Então, resolvemos comprar a máquina de lavar.

Uau! Ela lava tudo e eu nem preciso molhar a mão... A não ser na hora de estender, mas é pouquinho, porque quando o último enxágue acaba (sim, porque tem vááários enxágues), todas as peças já estão quase secas. Daí é só colocar no varal (será que já tem máquina pra estender roupa também...?). Esta é a parte que eu detesto: colocar as roupas no varal... Temos tecnologia suficiente pra não precisarmos mais gastar nosso precioso tempo de século XXI molhando nossas mãos e acabando com o efeito hidrante de cremes caríssimos com sabão em pó, lavando roupa, mas ainda temos que perder parte do nosso precioso tempo, colocando dois pregadores em cada peça de roupa que sai da máquina (quase seca!). Façam as contas: só hoje eu coloquei umas 30 peças de roupa na máquina. Trinta vezes dois pregadores por peça, são 60 pregadores só pra um dia de lavagem! E olha que foram só as roupas pretas... Tem as brancas, as "coloridas", as pretas, brancas e coloridas da minha mãe...

Haja pregador!

... enfim. O que importa não é a quantidade de pregadores, mas sim que o meu "precisoso tempo de século XXI" não está sendo gasto com sabão em pó e água fria e, graças à minha máquina de lavar, eu posso sentar na frente do computador às 16h22 de uma segunda-feira e aproveitar meu sétimo dia de recesso do trabalho, enquanto a máquina gira, torce, retorce, enxágua, lava MINHAS roupas e não pede nada em troca!

sábado, 27 de dezembro de 2008

... e, finalmente, a liberdade vem,
entra sem bater, invade, vai além.
me torna uma pessoa melhor,
uma pessoa que voa lá longe,
nas montanhas e colinas,
caçando água, vento e flor.

estou tão livre quanto a dor
que invade a mente de quem trai.
estou tão livre quanto o pavor
que um dia, entrou em mim,
e acabou comigo, com furor.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

vocês já tiveram um natal incrível?

...

eu já. =)



ps.: várias mudanças pra 2009. que papo clichê, não?

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.
menininha quando dorme, põe a mão no coração
que derrama de montão, o sangue da paixão,
que a levou até o céu, carregando-a pela mão.


pronto! rimei "chão" com "coração" com "paixão" com "mão".
só faltou o "caminhão".


ps.: é errado usar Rotomatic às duas da madrugada pra terminar um presente de natal feito a mão?

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

mini-declaração de final de ano.

"Adeeeeeus aaaano veeelho...
Feliiiiiiz aaaano nooooovo.
Que tuuudo se reeee-a-liiiiize,
no aaaaano que vaaai nasceeeeer...

Mui-to-di-nhei-ro-no-booooooolso...
Sa-ú-de-pra-dar-e-ven-deeeeeer....!"

tomara, tomara... dinheiro, saúde... que mais? amor? não, valeu, já tenho coisa melhor que esse tal amor. consegui, finalmente, encontrar a parte amarela pra completar essa minha parte azul. e isso, eu garanto: é melhor que amor.

auto-retrato de Laura Sobenes

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

...ou então, é admitir que estamos errados, subindo uma escada rolante em um dia de sol.

Esses dias eu estou presa aqui dentro. Deve ser a pílula que tá me fazendo mal. Ou deve ser só o sol mesmo, que insiste em sair quando eu tô de preto... mas eu sempre tô de preto. Não... mentira. Ontem eu comprei um vestido verde... e preto. Verde e preto. Mas tem verde.

O que importa é o verde do vestido, que já é uma puta mudança pra quem só usa preto, cinza, branco e tons "pastéis". Este ano, já comprei uma carteira vermelha, um vestido verde (e preto!) e um lencinho amarelo. O que mais falta?

...

Ah! Já sei! Falta eu admitir que, às vezes, eu posso mesmo estar errada.

domingo, 7 de dezembro de 2008

É como quando você descobre que não passou no vestibular da sua faculdade favorita; é como comer macarrão ao alho e óleo, sendo que você acordou com vontade de comer à bolonhesa; é como descobrir que não tem tua numeração daquele tênis que você juntou cinco meses de salário pra comprar; é como quando o aquecedor para de funcionar no meio do seu banho quente; é como descobrir que tudo que você pensava antes já não faz mais sentido...


... é como morrer.

sábado, 6 de dezembro de 2008

... faltam vinte e quatro minutos para as 8h da manhã.
agora eu tenho um novo brinquedo...! e ele tem uma maçã bem grande na frente e um teclado fininho, fininho...

... ai, ai, como é bom mexer em equipamentos que funcionam...!



ps.: anciosamente esperando chegar as 8h da manhã.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

conclusão

depois de uma ligação, perto da hora do meu almoço (após quatro horas turbulentas de início de dia de trabalho), eu percebo que, mesmo não encaixando, a gente aperta bastante, pra encaixar!

... e, hoje, eu tô feliz!

=)
apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve...


...apagou!

divagações de 21.11.2008

(besteirinhas de qualquer sexta-feira por aí...)

variação 001:

... e ele deitou no chão. Onde foi que eu errei?
Eu só queria era dar alegria pra vida vazia
que todo mundo tem!

variação 002:

Você dormiu no chão,
cortou meu coração
e disse que era o calor.

Se o calor é tão forte assim,
como você encosta em mim
quase toda noite, sem pudor?

variação 003:

Quando, então, você foi pra cama,
não quero nem pensar.
Partiu meu coração, meu cérebro...
Quase apagou minha chama.

sábado, 29 de novembro de 2008

eu gosto de estar aqui, porque eu me sinto leeeeeeeeve.... leeeeeve.... 

terça-feira, 25 de novembro de 2008

(uma homenagem à todas as pessoas mornas e sem sal. lá vai:)

ser sem sal não sou.
seria sim, se fosse morna.

não sou. sou pimenta
sem pudor.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

hoje estou fria. vou citar:

"inveja: noun feminine fato de querer aquilo que outros têm".

fonte: Dicionário Online

sábado, 15 de novembro de 2008

"(...)
Sobe a lua, porque longe vai?
Corre o dia tão vertical
O horizonte anuncia com o seu vitral
Que eu trocaria a eternidade por essa noite

Porque está amanhecendo?
Peço o contrário, ver o sol se por
Porque está amanhecendo?
Se não vou beijar seus lábios quando você se for
(...)"

- Relicário, Nando Reis, versão Cássia Eller no acústico MTV de 2001.
enquanto o Danilo tá no banho, eu canto:

"E ser artiiista no nosso convívio, pele infeeerno e céééu de todo diiia... pra pooeeesia que a gente não vive, transformar o tééédio em melodiiiiiaaaaa...!

la la laaaaaaa!"

...

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

momento hostil do dia:

entre cópias e rascunhos
eu prefiro fazer nada.
se é pra se auto-denominar,
que seja: "recém-criada"!

[em homenagem às (pseudo) cópias e rascunhos que existem por aí]
Em toda minha vida, só uma pessoa percebeu que eu diagramo a comida, antes de comer. A segunda percebeu hoje. "Papai do céu, será que sou louca?"
Falta uma hora e dez minutos pra eu sair aqui do trabalho e estou sem nada pra fazer. A edição de novembro da revista fechou sexta-feira e a gente até foi pro bar, depois do expediente, pra comemorar o fechamento.

Esta semana, é só limpar a mesa da papelada acumulada nestas últimas semanas de correria e tensão e deixá-la com bastante espaço pras papeladas que estão por vir...

Queria conseguir fazer isso também com a vida. Jogar a papelada fora e abrir espaço pra tudo de novo que está vindo. Eu tenho problemas em jogar coisas fora, não sei se alguém aí sabe disso. Tenho problemas sérios. Como diz meu namorado, sofro da "síndrome do esquilo" que consiste em manter tudo e não jogar nada fora, por mais inútil que seja (ele também sofre disso).

Diponho-me, então, ao aprendizado: começarei hoje, se tudo der certo e a chuva não inundar meu carro, a jogar tudo que é velho/inútil fora e dar lugar aos papéis novos.

Semana passada também, senti muita vontade de fumar... mas isso é outra história.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

minha sexta-feira da semana passada, em prosa/poesia

Aquela sexta-feira me deixou com uma cicatriz... (aposto que vocês pensaram que o post vai ser triste, né? Ahá! Peguei vocês! É legal o quanto as pessoas têm o poder de transformar significados, não é mesmo? A cicatriz nos remete à um corte que rapidamente, nos remete à dor. E dor é "ruim", certo? Errado. Dor é dor. Dói e ponto. Se é ruim ou não, aí é critério pessoal. Enfim, continuando...) Aquela sexta-feira me deixou com uma marca muito profunda que, se algum dia tiver que ser só memória, vai ser uma memória linda... como tinta que pinta, com idas e vindas, uma tênue linha.

Eu tinha um pensamento que me cortava o cérebro, antigamente: ele dizia que eu era ruim, que prestava pra pouca coisa e, destas poucas coisas, menores coisas ainda eram realmente válidas. Pálidas eram minhas memórias... Até que, em Julho, uma coisa aconteceu e essa coisa chama "acaso". O acaso chegou e se mostrou verdadeiro. Até então, claro, eu era cética o suficiente pra não acreditar nele. Até que passei por ele e dele me alimento até hoje. Acaso... veio sutil, lento, trazido pelo vento que o deixou aqui, pra mim, simples assim. Como uma criança que beija a outra sem pensar no seu sexo, na sua idade, na sua "hierarquia" na vida... Ela simplesmente beija, faz carinho. Pelo menos um pouquinho de sinceridade tem, independente da vivência, da idade... da carência, da vaidade. Beija... e pronto.

Assim veio o acaso pra mim: veio... e pronto, ponto. Está aqui não vai embora. Pelo menos não foi, até agora e eu espero que fique mais. Fique décadas, fique anos... meses, dias, horas, minutos... Ah, meus minutos! Como gosto destes poucos minutos semanais que me trazem tanta paz. Estão na medida certa? Não sei, não dá pra saber. Eu só SINTO e sei que faz bem, muito bem. Eu queria mais, mas assim tá bom. Bom demais.

foto: Danilo Sales, a quem este post é dedicado.

vou me redimir neste post, atenção:

DESCULPA? (tipo... de novo. hihihi!)

... e, pra sustentar meu argumento, vou postar uma música bonitinha bem de namoradinho e de menina apaixonada (gente, é sério, eu juro que eu não estou sendo irônica. eu estou sendo verdadeira... e criança. bem criança e eu gosto. cansei de ser adulta, não quero mais.)

atenção:

(dica: acompanhem a letra com a música clicando aqui) :

"So she said what's the problem baby
What's the problem I don't know
Well maybe I'm in love (love)
Think about it every time
I think about it
Can't stop thinking 'bout it

How much longer will it take to cure this
Just to cure it cause I can't ignore it if it's love (love)
Makes me wanna turn around and face me but I don't know nothing 'bout love

Come on, come on
Turn a little faster
Come on, come on
The world will follow after
Come on, come on
Cause everybody's after love

So I said I'm a snowball running
Running down into the spring that's coming all this love
Melting under blue skies
Belting out sunlight
Shimmering love

Well baby I surrender
To the strawberry ice cream
Never ever end of all this love
Well I didn't mean to do it
But there's no escaping your love

These lines of lightning
Mean we're never alone,
Never alone, no, no

Come on, Come on
Move a little closer
Come on, Come on
I want to hear you whisper
Come on, Come on
Settle down inside my love

Come on, come on
Jump a little higher
Come on, come on
If you feel a little lighter
Come on, come on
We were once
Upon a time in love

We're accidentally in love
Accidentally in love [x7]

Accidentally

I'm In Love, I'm in Love,
I'm in Love, I'm in Love,
I'm in Love, I'm in Love,
Accidentally [x2]

Come on, come on
Spin a little tighter
Come on, come on
And the world's a little brighter
Come on, come on
Just get yourself inside her

Love ...I'm in love"

...

pronto. me desculpa?

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

nunca senti tanta raiva de "tecnologia" de comunicação móvel como hoje...

... ou talvez eu só deva aprender a pensar em mim e não nos outros.

não, acho que não. acho que eu tenho que ter raiva mesmo é de celulares que, por algum motivo mostram que mandaram a mensagem, mas na verdade não mandaram. meu próprio celular me enganando... engraçado isso... há há há.

domingo, 26 de outubro de 2008

Quando coisas legais acontecem... E nao consigo postar, vai no titulo mesmo, sem acento, pra piorar...

nada melhor do que um começo de Domingo de beijinho aqui onde estou... E como estou... E com que estou... E com o som que estou ouvindo... Nao estou em casa. Nao estou em nenhuma casa... Estou voando...!

(e o melhor: agora o danilo me ensinou a colocar acento. Entao, peguem estes e distribuam no post: àáã èéê í ôòóõ ú)

sábado, 25 de outubro de 2008

enquanto você dorme,
eu faço essa riminha.
acorda, que a vida passa
e eu não quero ir sozinha!

(hihihihihi!!!)

atenção:

está EM CONSTRUÇÃO um texto em prosa/poesia sobre a minha sexta-feira, dia 24 de Outubro.

está EM CONSTRUÇÃO também, minha vida, em prosa/poesia/fotografia/produção... e academia!

tentativa de prosa número três (e última.)

tento a prosa
e não consigo
nunca,

pois sou criança
ainda e não
adulta.

queria é fazer
poesia e prosa
junta.

mas será que aí
alguém me
escuta?

(não sei, "não custa tentar", como diz o clichê.
custa sim, custa sim, amigo clichê.
mas não importa, eu tento do mesmo jeito.
nota mental: tentar poesia e prosa juntas.)

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

tentativa de prosa número dois

queria fazer prosa pro meu menino,
falar de margarida, azaléia e rosa,
falar que gosto tanto, tanto
que, mesmo quando estou em pranto,
perto ele, me sinto charmosa.

queria fazer prosa pro meu menino
e gritar bem alto aos quatro ventos
que mesmo com todos os problemas, a vida
se faz amável àquele que nela, prossiga
e diga, "alegria!" uma vez ao menos.

(mas, como sempre, ao fim do dia,
acabo sempre fazendo poesia...)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

tentativa de prosa número um

hoje eu quero prosear,
contar e narrar,
dessa vida engraçada
que não para de passar.

hoje eu quero prosear
sobre o perigo constante
de te ter na minha mente
de um jeito intolerante.

hoje eu quero prosear
sobre o fato desse eterno
sentimento de saudade
que se põe a me assustar.

hoje eu quero prosear
e me sentir menos vazia...
mas assim, pra variar,
tô fazendo poesia...!

(riminha dedicada às noites de sextas-feiras
de saudade, que, quando passam e viram sábado,
me enchem de alegria...)

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

... eu gosto de você até bastante nervosa com a vida.

(nota mental: comprar logo um saco de areia pra não ter uma úlcera).

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga, escreve, apaga...

... escreve?
vou dizer três palavras que me deixam feliz e, ao mesmo tempo, me assustam:

TUDO
MUITO
PERFEITO

foi assim meu dia hoje.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

poder ter pra mim
quem eu quero é
alegria sem fim.

triste é quando
uma pedra no caminho
atrapalha o encanto.

"foda-se" eu digo,
pois resolvemos andar juntos
eu com ele, ele comigo.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

... paciência é uma "doença" que vem da crença de que tudo vai ficar bem. mas a tua presença me ensina a descência de ver sempre tudo além.

e eu gosto de você por isso.

domingo, 5 de outubro de 2008

êêêêê!!! até que enfim!!!
ihhh, a contagem deu errado.
1...

minuto pra você chegar aqui.
contagem regressiva
é o que me motiva
nesse dia nublado,
nessa vida vazia.
12... 11... 10... 9... 8... 7... 6... 5... 4... 3... 2... 1...

minutos que faltam pra você chegar aqui.
47... 46... 45... 44... 43... 42... 41... 40... 39... 38... 37... 36... 35... 34... 33... 32... 31... 30... 29... 28... 27... 26... 25... 24... 23... 21... 20... 19... 18... 17... 16... 15... 14... 13... 12... 11... 10... 9... 8... 7... 6... 5... 4... 3... 2... 1...

minutos que faltam pra você chegar aqui.

sábado, 4 de outubro de 2008

alguém aí tem um controle remoto, pra eu fazer do tempo o que eu quiser?
agora eu tô seca:

"PASSA LOGO, TEMPO!"

...

espera, espera, espera...
saco.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

ÊÊÊÊÊÊÊÊÊ!!!! \o/

... e a chuva cai lá fora
e eu fico aqui dentro
esperando esse tempo
que demora, que demora.

e enquanto você trabalha,
eu malho na academia
mas, agora, o que eu queria
era você, eu e uma toalha

pra deitar na areia branca
e deixar passar o tempo,
e esquecer desse tormento
que o sábado não chega nunca!

(ahahaha! esse ficou engraçadinho. tá, tô criança hoje.)

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

notas mentais do dia:

1. comprar um tubo de cola bastão.
2. comprar a faixinha de colocar na mão pra treinar muay-thai.
3. dar um beijo no danilo, pela montagem das imagens no orkut.
4. perguntar pra "deus" o segredo da vida.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

eu gosto de você mesmo tendo que te disputar com teu passado.
eu gosto de você mesmo que dê tudo errado.
eu gosto de você, de verdade e muito.
eu gosto de você até no meu momento mais calado.

(fim-de-semana memorável, bebê.)

sábado, 27 de setembro de 2008

eba! hora de acordar!
de despertar!
de fazer a vida parar de passar!
...

pelo menos um pouco,
por um instante.
uma pausa aconchegante,
coisa de louco...
(infantilidades de sábado à tarde...)

enquanto você dorme,
eu queria escrever
que eu gosto muito de você
e, bem alto, vou dizer:

"presta bem atenção,
que o tempo vai acabando
e, enquanto a gente dorme,
a vida vai passando!"

... mas aí você me diz:
"calma, meu amor, é só um cochilo.
preciso descançar, dormir, pra poder,
de noite, sair contigo."

nesse caso eu aceito
esta dormida vespertina,
mas digo desde já
que esse tempo me alucina...

.

ahhhhhhhhh!!! SAIU!!!! =)
gente! é tanto insight criativo que eu não tô conseguindo vomitar tudo...!

Fotos e montagem: Laura Sobenes

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

como eu não gosto da analogia do coração, transformei-o, então, num fígado:

a insegurança é uma menina de trança
que dança na corda suspensa que balança...

... me ensina a não cair?

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

mini-declaração - parte II

e é com gosto que eu digo:
"dois meses passados contigo,
me fazem mudar, sem perceber.

me fazem querer, sem ver
todo dia... que alegria
estar com você, pra valer!

pra ver que não preciso amar
e sim gostar, querer pra mim
e pro mundo; sem questionar..."


fotos: Laura Sobenes

terça-feira, 23 de setembro de 2008

mini-declaração - parte I

por você, eu paro de fumar, compro um patins e até aprendo a cozinhar...

... não, mentira. faço POR MIM, mas você é como um trampolim pra tudo isso acontecer e super faz parte dos planos futuros pra aproveitar o resultado dos meus novos aprendizados... eu gosto de você com todo meu corpo, inclusive com o intestino, com o fígado, com o cérebro e com o tal do coração.


foto: Laura Sobenes

sábado, 20 de setembro de 2008

[post em off:]

"ai, então chega logo, dia! chega logo!!!!"

hehehehe! =)
e a mudança vai chegar algum dia
e eu peço pra que me perdoem os loucos,
os santos, os "certos" e os "errados",
mas quando essa tal mudança vier
eu estarei de braços abertos
e terei morais e pensamentos confiscados.

não se assustem os éticos corretos
nem os loucos varridos, pois garanto,
nesta minha mudança repentina,
que não farei mal algum,
nem regurgitarei minhas lembranças
que são dignas da mais porca latrina.

por fim, queridos amigos,
gostaria de deixar uma sentença bem clara,
que firma este tratado de loucura:
"não se espantem, por favor,
com estas mudanças futuras, pois em mim,
quase nenhuma mudança perdura."

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

... e daí, amanhã, eu vou ter cinqüenta e tantos anos e estarei fazendo sei lá o que da vida. será que vou me orgulhar? ...

... sim. acho que vou.
quanta falta me faz,
um abraço à noite,
deitar juntinho
e ficar em paz...

... sem pensar em nada.

(dia muito legal hoje, só pra constar. me diverti e nem caí. que venham os asfaltos da Brigadeiro!)
comprei um patins!!!

... e meu dia foi bonitinho...! agora sim só falta eu descobrir o grande segredo da vida.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

olhem só que interessante. estou aqui na central da Sul-América fazendo vistoria de um sinistro do meu carro e tem até internet pra gente ficar esperando... além do café e dos livros de "museu" na mesinha de centro da "salinha" de espera...

ai, ai, ai... adooooooro "tecnologia" e "lugares modernos"...! agora dá licença que eu vou tomar um capuccino.
incrível o que um telefonema (depois de duas mensagens não respondidas na madrugada) faz com o dia da gente, não?

... pronto. fiquei feliz! =)

ps.: boa notícia: um mês sem cigarro! êêêê! agora só falta comprar um novo som pro meu carro, descobrir o segredo da vida e me matricular no Muay-Thai...

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

... eu gosto de amarelo, porque sou azul.

=)

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

... e hoje foi mais um dia bom, como sempre é.
só que, dessa vez, tive até uma sacada só pra mim!
(tá, mentira, tinha mais gente lá. mas era como se fosse só pra mim...)
e teve também injeção ardida e dor no braço,
e um monte de abraço que tanto me encanta...
podia eu viver assim pra sempre,
mas não adianta.
todo mundo tem vida separada...
e eu sou errada de pensar que tem que ficar o tempo todo junto.

besteiras de minha parte, eu sei.
mas que culpa tenho eu, se você, desse jeito, me algema
nesse gostar de vida boa, sem estress e sem problema?
de andar descalça e nem ligar se eu tô com rinite,
sinusite, bronquite. você vai cuidar de mim, que eu sei.
assim como de você, eu cuidarei também.

... é, menino. meu gostar vai bem além...!

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

em homenagem à decepção

eu queria ser uma pedra.
uma pedra, eu queria ser
pra marcar direito o caminho,
me refugiar por aí, nos ninhos
e nunca mais sofrer...

queria ser dura, imutável,
que só muda com o vento
e não com qualquer lamento
nem com amigos enlatados
cegos e ultrapassados,
que me/te/se consomem,
a toda hora, todo dia.

queria eu ser alegria,
alegria eu queria ser,
pra estar no caminho
de quem quiser me ter
...........................(meter).




... mas não sou.
sou fúria, sou pavor,
sou bicho, sou flor.
ternura? ... não.
espinhos,
que ficam no caminho
da delicada mão.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

respiro uma flor
que antes não existia,
já que, pra mim, não havia odor.

hoje respiro fundo
pra tentar perceber
as marcas deste enorme mundo

e, quem sabe a dor
de perceber tanto
e acabar morrendo sem valor...

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

"gosto de andar de mão dada com você,
ser guiado por você
e de encaixar, mesmo sem querer."

- ao sábado, domingo e segunda de ócio e aos inúmeros minutos que estamos jutando...

"Soneto da Madrugada"

(produzido dia 21.08.2008)

Sofro de dificuldade para dormir.
O engraçado é que é só de noite,
porque, de dia, espero que o tempo volte
pra madrugada que não veio, vir.

Porém, (em contrapartida) gosto do dia,
que traz muitas horas de atividade,
pois, aos 21 anos, cheguei na idade
de entender que o tempo não se adia.

E é pensando assim que consigo
entender o que se passa comigo
e com essa minha insônia eterna:

quando durmo, a vida logo passa
e eu não vejo. E a graça
de ficar acordada, logo se enterra.

(tá, precisa de ajustes...)

sábado, 6 de setembro de 2008

concordo que precisamos de momentos em silêncio, mas a vida fica tão chata sem música...

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

mini-declaração rapidinha

'eu gosto de você até de cabeça pra baixo...'
e digo mais: digo que até debaixo d'água,
acampando, com formigas e mosquitos
e até com os atritos que o dia-a-dia trouxer.
gosto de você como mulher que sou,
como ser humano, como criança
até com meu eu-lírico... com esperança.

(obrigado pelos 20 dias de apoio...)

terça-feira, 2 de setembro de 2008

nessas horas de nervosismo é que me dá uma vontade graaaaande de fumar... mas aí eu lembro que já fazem 17 dias, cinco quilos e inúmeros beijinhos que eu não fumo... pra que estragar tudo por 10 minutos de prazer efêmero?

ps.: meu fim-de-semana foi intenso, incrível e indescritível. e o de vocês, como foi?


fotos: Laura Sobenes

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

III.

o sexo é paixão
que, em meu
corpo, é solidão.

II.

o pensar é o temor
que, em meu
corpo, é calor.

I.

o sentir é a paz
que, em meu
corpo, aqui jaz.

domingo, 24 de agosto de 2008

uma semana sem cigarros. um mês de "domingos de beijinho", kiwis e pão branquinho. quem diria...

ai, ai... *suspiros*

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

ok, agora eu já posso ir presa de verdade, aqui e nos Estados Unidos. parabéns pra mim, dois dias atrasados.


"Marchinha de Aniversário"

mais um que vai, que passa
direto sem eu perceber.
ó tempo, tempo, mano velho,
tempo esse que amassa
minha liberdade de viver.

pára de passar assim
tão rápido, tempo, sai de mim
me deixa, sai de perto
faz o que é certo e
vira meu Arlequim...

domingo, 17 de agosto de 2008

"ele lá, eu aqui.
domingo:
juntos."

(haikai em homenagem a mais um "domingo de beijinho").

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

hoje arrombaram a porta do meu carro e levaram meu som e a mochila do danilo.

estou muito nervosa, nervosa de ranger os dentes e do estômago doer. nervosa de saber que os ladrões ainda agem, por querer, podendo ainda viver em liberdade de andar e comer e fazer o que bem entender e roubar e foder a vida dos outros que, com a situação deles, não têm nada a ver. e a polícia? essa pergunta tem que ter, mas o que fazer? eles fazem nada, só querem saber de ganhar dinheiro e ter poder e a gente? a gente, nada. a gente fica aqui, esperando o governo prometer, a polícia repreender e só sobra pra gente o medo de morrer.

pronto. vomitei. tô melhor.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

E, então, eu penso...
Penso sem parar
até cansar, até mofar
de ódio, de apatia
dessas pessoas sem harmonia,
sem alegria e sem saudade.

Eu sinto saudade... e muita!

Deve ser a idade,
essa marca de seriedade,
que me foi colocada, um dia.

domingo, 10 de agosto de 2008

(novamente, infantilidades de domingo...)

Domingo, "dia de beijinho",
pão e kiwi... e você.
Quero sempre esse
domingo, pra deixar a criança
dentro de mim, de novo, florescer.

E, se algum dia o destino
disser, pra gente, "não",
quero lembrar com carinho
dos "domingos de beijinho"
e dessa medrosa paixão.

observação da noite:

incrível como uma flor, um pedaço de papel, uma caixinha e três kiwis podem transformar o rumo dos fatos... como já disse aqui antes, gosto muito dessa efemeridade da vida.

sábado, 9 de agosto de 2008

pergunta do dia:

alguém aí sabe fazer o tempo parar?

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

pronto, Allan. dvirta-se!

Três coisas que me assustam:
1. lugares escuros, quando tô sozinha.
2. silêncio.
3. mosquitos ou qualquer coisa que voe em quantidade de mais de três.

Três coisas que eu estou sentindo agora:
1. nostalgia.
2. vontade de dançar.
3. dor nas costas.

Três coisas que tenho ouvido no meu telefone:
1. "Olá, aqui é do banco Santander..."
2. "Pague em dia sua conta claro e receba benefícios..."
3. "Laura, Vitão hoje a noite! Agita a galera!"

Três coisas que eu odeio:
1. desprezo.
2. comida fria, quando é pra comer quente.
3. planos desfeitos.

Três coisas que eu não entendo:
1. exatas.
2. arte contemporânea.
3. como o MotoRockr U9, que é uma versão de celular nova, consegue ser pior que o MOtorola K1, que é uma versão mais antiga da motorola...

Três nomes:
1. Jolene
2. Sandy
3. Laura

Três coisas em cima da minha mesa:
1. celular
2. cigarro
3. caneta

Três coisas que eu estou fazendo agora:
1. ouvindo um som completamente nostálgico.
2. digitando.
3. mudando de posição na cadeira (o que me lembra que eu preciso comprar outra cadeira pra ficar aqui na salinha do computador...)

Três coisas que eu quero fazer antes de morrer:
1. fama.
2. dinheiro.
3. comprar um patins.

Três coisas que eu sei fazer:
1. sexo.
2. comer.
3. fondue.

Três coisas que eu não consigo fazer:
1. parar de fumar.
2. parar de respirar.
3. auto-tatuagem.

Três maneiras de descrever minha personalidade:
1. impulsiva.
2. fumante.
3. sedentária.

Três filmes que você deveria assistir:
1. Irreversível.
2. Irreversível.
3. Irreversível.

Três filmes que você NÃO deveria perder seu tempo assistindo:
1. Eu sou a Lenda.
2. Eu sou a Lenda.
3. Eu sou a Lenda.

Três filmes que você sempre assiste:
1. Irreversível.
2. Laranja Mecânica.
3. Grease.

Três comidas favoritas:
1. Japonesa.
2. fondue de queijo.
3. coca-cola.

Três coisas que eu gostaria de aprender:
1. física quântica.
2. o segredo da vida.
3. cozinhar.

Três coisas que eu bebo regularmente:
1. coca-cola.
2. cerveja (boa).
3. novo ades edição limitada de coco com abacaxi.

Três programas de TV que eu assistia quando era pequena:
1. Doug Funny.
2. Mundo de Beakman
3. Babar

Três programas de TV que não perco por nada:
1. Two and a Half Man
2. __________________
3. __________________

Três lugares:
1. meu banheiro.
2. minha cabeça.
3. meu carro.

Três pessoas:
1. eu
2. Jolene (minha cachorra.)
3. Motorockr U9 (meu celular.)

Três coisas que faço todo dia:
1. escovar os dentes.
2. dirigir.
3. cocô.

Três coisas que fiz hoje:
1. acordei.
2. escovei os dentes.
3. li minha mensagem de horóscopo do dia que chega no celular todo dia as 9h.

Três coisas na gaveta:
1. absorvente diário.
2. carregador de celular.
3. caderno.

Três datas importantes:
1. 20 de agosto.
2. 14 de julho.
3. 24 de julho.

Três anos importantes na minha vida:
1. 2001.
2. 2005.
3. 2008.

Três livros importantes para mim:
1. "Personas Sexuais" de Camile Paglia.
2. "Câmara Clara" de Roland Barthes.
3. "Contos Extraordinários" de Edgar Allan Poe. (SEMPRE, né, Allan! ahahah!)

Três estilos musicas que eu gosto:
1. Erudita.
2. EBM/Industrial/Grind/Crust/Barulheira
3. Pancadão...

Três vícios:
1. cigarro.
2. internet.
3. celular.

Três coisas que desejo pra você:
1. ...
2. ...
3. ("você", quem?)

.

(deixo bem claro desde já que esta punheta foi indicação do Allan)

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

aqui vai uma questão para vocês, querida(o)s leitores, prestem atenção:

vocês acreditam naquele pensamento popular que argumenta que, quanto mais nós pensamos e verbalizamos, mais o pensamento se torna real? eu estou começando a acreditar, por mais clichê que isso possa parecer. se bem que isso não é ruim, porque clichê só é clichê, porque é verdade. se não fosse verdade, seria lenda, não clichê...

hoje, neste fim de noite, estou assim, sorrindo. agora só falta perder o medo de lugares escuros e consertar o limpador de pára-brisa do meu carro. ;)

foto: Laura Sobenes
Estava aqui, eu, pensando com meus botões sobre a chuva. "Tema gasto..." vocês devem pensar, mas tudo bem, não me importo. Minha única distração agora, já que começo no emprego novo dia 13, é o computador. Eu podia escrever uma carta, ouvir música, fazer comida - não, não sei fazer comida -, mas ao invés disto, estou aqui, no computador. Tomara que não acabe a luz...

Mas, voltando: a chuva (pausa para acender um cigarro). Me da até arrepios pensar em quantas pessoas estão se molhando agora, neste exato momento, dois quarteirões pra cima do meu prédio, logo na Avenida Paulista... Já são quase 18h e, em breves duas horas, as pessoas vão começar a sair do trabalho para entrarem nos metrôs da linha verde (a linha mais estúpida que já vi em toda minha vida, por sinal), para irem rumo às linhas vermelha e azul (porque, no Brasil, pra quem não sabe, só temos três linhas de metrô e até tentaram construir uma quarta, mas ela desmoronou antes de ser finalizada), para chegarem na estação de destino e ainda embarcarem em um ônibus para, finalmente, chegarem em suas casas, onde encontrarão bebês recém-nascidos chorando, crianças peraltas que acabaram de acordar de um sono vespertino pós-escola e estão super no pique de brincar, cônjuges de mau-humor ou até mesmo o silêncio que, pra alguns, é muito pior do que todas as outras situações citadas acima...

Péssima essa vida de transporte público... ainda mais em um dia como hoje: dia cinza, com vento e chuva e, ainda por cima, ABAFADO. Pois é, como se não bastasse o caos metropolitano, estes pobres trabalhadores têm que enfrentar outros trabalhadores se encostando, se esbarrando, todos suados e melados, porque além de chovendo, ainda está abafado.

Ainda bem que eu sou freelancer. As vezes, me pego reclamando da vida, que não tenho dinheiro, que não posso gastar, que ainda não sou completamente independente em algumas questões financeiras... Porém momentos como este, enquanto estou sentada na frente do computador, no meu apartamento sequinho, dando uma de "pseudo-escritora da nova geração", me fazem lembrar o quanto sou feliz por ser freelancer. A não ser como quando me contraram para fotografar festas e baladas "happy-hour", na Vila Olímpia. Este, acredito eu, foi o único momento em que pensei ter escolhido errado minha profissão, mas este é um outro assunto. Mesmo porque, o pensamento logo passou, quando entrei em uma balada - que não vou citar o nome por questões de futuros processos jurídicos - e vi muitas pessoas bonitas interagindo comigo, pois eu tinha um objeto em minhas mãos que é o que a maioria daquelas pessoas desejam ter apontada para elas, pelo menos uma vez na vida: (não, não era um rifle) uma máquina fotográfica.

Pois é, queridos e amados leitores deste dia chuvoso... vou terminando meus breves pensamentos, pois estou em um dia típico de ócio nesta Cidade da Garoa ("garoa" soa como um graaaande eufemismo agora, se vocês pudessem ver a quantidade de gotas que está caindo lá fora...) e preciso aproveitar assistindo algum seriado de televisão desses canais de tv a cabo.

Me despeço com uma imagem de quando fui à Paraty em outubro do ano passado e, como sempre, a chuva me perseguiu... Mas foi bonito. Graças à minha profissão, eu tinha uma câmera fotográfica comigo. =)
Bom final de tarde a todos.

foto: Laura Sobenes - Paraty, RJ - outubro/2007

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

dia 28 de julho de 2008:
"de minuto em minuto, uma hora a gente junta..."

foto: Laura Sobenes

finalmente o ócio chega
muito bem acompanhado, por sinal,
e me envolve, como um cobertor
de algodão envolve os bebês.

a chuva, a varanda e todos os elementos
que me completam por inteiro
como se fossem um canteiro
de puros sentimentos.

estou gostando... gostando de branco,
amarelo, vermelho e até de escuro
como nunca antes gostei.
como dizem los hermanos e você: "até quem me vê (...)
na fila do pão, sabe que eu te encontrei".

pois é, te encontrei. assim, na vida,
trabalhando por aí, e agora?
agora deixa ir, deixa vir,
me traz kiwi e gosta de mim?

criança de novo, eu estou, como nunca!
pois é, menino. como já dissemos antes,
calma, que "de minuto, em minuto,
uma hora a gente junta"...

=)

quarta-feira, 30 de julho de 2008


foto: Laura Sobenes


Somos todos "flores"...!

=)

segunda-feira, 28 de julho de 2008

ó, Deus, por que não Fizeste de mim um alface?

...
as portas se abrem para um mundo
completamente novo,
cheio de energia, alegria, folia
dia e noite, noite e dia.

o ser humano "normal" aproveita,
aproveita, aproveita,
termina, vai pra casa
e deita.

e eu, o que faço?

aproveito, aproveito,
aproveito, aproveito...
termino. vou pra casa
e penso;

e morro.

domingo, 27 de julho de 2008

só pra começar o raciocínio:

Paulo Leminski dizia que "O amor é o elo entre o azul e o amarelo". As mesmas palavras digo da dúvida: "Dúvida é tensão de mente e coração".

agora, continuando...

Quantas vezes, por dia, deparamo-nos com a dúvida? Na hora de ir ao mercado, de ver um filme ou até mesmo na hora de decidir em qual estacionamento devemos parar. Pois é, a dúvida... A dúvida nos persegue. ME persegue. Ontem mesmo tive uma grande dúvida: deveria ou não beber cerveja antes da pizza? Se eu bebesse antes, iria me divertir talvez 10% a mais do que me diverti, porém a pizza me causaria indigestão e eu passaria mal à noite. Se eu não bebesse, iria me divertir 10% a menos do que me divertiria COM a cerveja, mas pelo menos não passaria mal à noite, por causa da indigestão da pizza. Resumindo: resolvi não beber. Consequentemente, acabei me divertindo 10% a menos, porém não passei mal. Todas as consequências de nossos atos dependem de nossas escolhas... Nossa, o quão clichê é isso.

Hoje me deparo com outra dúvida, mas esta é do coração. Quem diria que, algum dia depois de longos dois anos e meio, eu voltaria a falar desta palavra que tanto nos move: "coração". Segundo a ciência, "coração" é apenas "um órgão muscular oco que bombeia o sangue de forma que circule no corpo". Porém, segundo a maioria das pessoas que "pensa" com esse músculo, coração é vida, é sentimento. Talvez daí venha a ligação deste músculo com o amor que, por sua vez, é definido como "sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem, ou de alguma coisa", pelo dicionário.

Eu não entendo o amor, por mais que o definam. Afinal, a maioria das definições têm que se adaptar constantemente à novas épocas, novas transformações. Será que a definição de "amor" foi adaptada à época atual? As vezes, eu acredito que a definição de amor podia ser linkada, em certas ocasiões, com a definição de "mentira", ou até mesmo de "traição"... ou de "devoção", na melhor das hipóteses. O fato é que o tal do "amor" nos deixa muita "dúvida" (dúvida, do latim dubitare, é um estado mental ou uma emoção entre acreditar e desacreditar) e é essa dúvida que me incomoda, dia após dia, mesmo com todas as outras dúvidas resolvidas por trás, como estacionamento, mercado ou cerveja antes da pizza.

Gostaria de poder definir o amor à minha maneira, à maneira de Laura Sobenes, sem dicionários, nem experiências de vida... mas não consigo. Paulo Leminski conseguiu e muito bem. Eu só consigo definir o que eu NÃO quero sobre o amor. Portanto, já que ainda estou em um patamar abaixo daquele que define o amor, só me resta definir a dúvida, à maneira de Laura Sobenes (observem a pretensão), e aqui está:

"Dúvida é tensão
de mente
e coração."

sexta-feira, 25 de julho de 2008

... o frio bate e as nuvens vêm
e trazem a chuva pra dormir bem.
dormir com chuva é bom
e ficar com você, também.

(riminha fofa de fim de noite. hoje eu estou infantil... e feliz.)

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Um brinde ao término de uma etapa:

tudo passa,
até a vida
sem graça;

mas, se não
passasse,
ia me enjoar

dessa vida
constante,
irritante.
e, como todo bom final de filme adolescente, acabou com uma festa. uma festa "daquelas"...! tremenda festa, cheia de memórias, desculpas e esclarecimentos.

vou sentir falta dessa renovação constante de arquivos de memória desse pessoal...

quarta-feira, 16 de julho de 2008

(haikais em homenagem à pessoa que mais me deixa com raiva na sinuca):

Hélio, tudo jovem
e o nome
de velho.


(ou)

Hélio: tudo
jovem menos
o nome.



(nota da noite):

é incrível como seis horas podem passar rápido quando se está com quem se gosta. tenho medo de encontrar muitas pessoas legais e minha vida passar tão rápido assim, sempre.

mas tudo bem. é um risco assumido.

;)

para Roberta.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

(poeminha para se ler bem rápido, assim como se fosse pra ninguém ouvir, nem perceber):

sobe e desce
essa vida
tão bonita
tão singela.
só um grito
que precisa
pra história
se fazer.
você passa
lá na rua
e eu grito
da janela.
o aconchego
dos teus braços
deixa que
o futuro vê.

.

=)

domingo, 13 de julho de 2008

momento cultural

recomendação da Robs:

"Penis Envy"
(não esqueçam de interagir com os pintos aí em cima. passem o mouse e divirtam-se!)

.

e, pra quem quiser ver mais trabalhos dessa pessoa incrível, clique aqui.

sábado, 12 de julho de 2008

definição de saudade, segundo a Wikipedia:

"Saudade um sentimento que traz consigo uma dor imensa a qual somente quem ama realmente sabe o que significa. (...) Diz a lenda que foi cunhada na época dos Descobrimentos e no Brasil Colônia esteve muito presente para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe de entes queridos. Define, pois, a melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou ações. Provém do latim solitáte, solidão".

agora que todos sabem a definição da palavra, vou escrever algo que eu espero que faça sentido:

Saudade, só minha
saudade, que bate
aqui dentro
que dói, que puxa
meu espírito para baixo
debaixo de um cobertor frio.
Esquenta, coração, esquenta.
Levanta e vem aqui pra dentro
que aí fora o vento ta batendo
de saudade daquela que não volta;
do tempo ao relento,
das coisas que passam...
das mudanças que me atacam,
que me devoram, que pesam
nas costas.

Vem, coração, vem.
Sai daí. Volta...

sexta-feira, 11 de julho de 2008

(nota sobre a decepção trabalhista):

vida efêmera:
um dia em cima,
outro embaixo.

dia efêmero:
uma vida em cima,
e a outra pra baixo,

de cabeça pra baixo,
pra não deixar morrer,
pra sobreviver.

pra deixar a rotina
sem querer, mas ter
que viver,

nessa efemeridade
da vida, sem ter
o que fazer.

terça-feira, 8 de julho de 2008

nossa, ultimamente eu estou numas de repetir sons, não é mesmo? deve ser a inércia dessa vida repetitiva, cheia de punhetagem.

(comentário absurdo de uma noite
em que tudo ocorreu bem,
menos algumas coisas da vida.)

coisas da vida.

coisas da vida que acontecem,
que emagrecem, que adoecem,
que entristecem, que empobrecem,
que degeneram...

... que envelhecem.

domingo, 6 de julho de 2008

teste
peste
faroeste
veste
leste
oeste
cast.

cast?

enfim...

sábado, 5 de julho de 2008

(só pra constar: vivendo, atualizando, tirando da gaveta e passando pra frente...)

Continuo então, amigos, com este journal de minha vida que, por um momento, pensei estar parada... vida sem vida, estagnada na inércia dos movimentos cotidianos. Pois é, sem gramática correta, por conta do esquecimento das regras, espero dar continuidade às palavras que vêm à todo momento, nessa correria metropolitana: novos empregos, novos amigos (amigos mesmo, no sentido da palavra "amigo"), novas lendas... novo tudo.

Tudo novo de novo. Gosto muito dessa efemeridade da vida.

Com "amor": Laura.